Se não fosse a energia solar, Júpiter continuaria com seus segredos guardados.

O grande feito tecnológico desse ano, a sonda Juno: depois de 5 anos no espaço, entrou em órbita do planeta Júpiter. Mesmo sendo o objeto mais rápido criado pelo homem (265.000 km/h) - foi uma longa viagem. Embora o feito da NASA tenha sido muito festejado, confesso que essa não é minha praia: não passo de um "mané terráqueo". Fui atrás de informações sobre a sonda Juno, mais para atender minha curiosidade de quantos painéis fotovoltaicos carregava: três de nove metros. Como a sonda precisava de energia própria para chegar em Júpiter, dá para afirmar: se não fosse a energia solar, Júpiter continuaria com seus segredos guardados. Outra conclusão que dá para tirar dessa epopeia espacial, é que a tecnologia da energia solar fotovoltaica - é muito confiável. Se não, me pergunto: quem apostaria num projeto de tamanha visibilidade, que custou 1 bilhão de dólares, se não confiasse nos painéis solares?

PS- Atualizando o comentário e ao mesmo tempo reforçando a importância tecnológica do projeto, as primeiras fotos do planeta Júpiter já chegaram até nós(13-7).

PS- aqui na Terra, a energia do sol também vem sendo cada vez mais utilizada. Em Paris, a Cidade Luz, o Código do Urbanismo Francês estabelece que a partir de janeiro do ano que vem as edificações deverão contemplar nas suas coberturas produção de energia renovável. Em São Francisco, Califórnia (EUA), todos os novos prédios com até dez andares deverão instalar painéis solares térmicos ou fotovoltaicos. (Fonte: solbrasil)